VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Translate

26 de abr de 2016

Maldições e mais maldições - de uma fonte jorra duas águas?

Graça e paz amados!

                  Segue uma matéria que me chamou a atenção!
                  Até quando os cristãos serão tachados e medidos por eles mesmos? Até onde vale lutar uns contra os outros para ganhar fama ou reconhecimento? Desafios entre cristãos? Até onde o povo vai aturar esse tipo de coisa?
                  Será que realmente é uma Guerra Santa?
                  Muitos se desviaram da fé genuína e estão travando um combate "carnal", disputas por poder, horários na TV, maldição daqui e maldição dali, onde Jesus está nisso tudo? Será que vale a pena defender, tomar partido de Igreja A ou Igreja B, enquanto Jesus que deveria ser o centro de tudo sempre fica entre os dois lados? Meu Jesus seu Jesus, se eu sou "homem de Deus", até onde essas afirmações ou indagações são relevantes para o Ministério ou Reino de Deus que pregamos?
                  Jogar pessoas contra pessoas, irmãos contra irmãos por bandeira ou placa de Igreja, será que realmente é isso que Deus espera dos seus embaixadores aqui na Terra?

Pr. Jeferson L. Silva

Segue matéria para apreciação:
_________________________________________________________________________________

Esta semana vem circulando nas redes sociais mais um vídeo com ensinamentos polêmicos do apóstolo Agenor Duque, da Igreja Plenitude do Trono de Deus. Filmado de uma televisão que transmitia um dos cultos, o material mostra que surgiu um embate na sede do ministério.
Aparentemente, um homem impediu que pessoas viessem até a plataforma do templo. Ele diz algo que irrita profundamente Agenor. Gritando ao microfone ele diz: “Nunca mais vai andar. Até você voltar aqui e respeitar profeta. Se eu sou homem de Deus você está amaldiçoado! Desafio”.
O homem, que não foi identificado, provavelmente questionou algum ensino ou prática do apóstolo, que afirmou que aquela pessoa foi colocada ali “pelo diabo”. Depois, chama uma fiel na plateia para receber oração e volta a criticar o homem. “Não quer? Vai embora daqui, rapaz”.
Acostumado a ser criticado e chamado de “falso profeta”, Duque já postou na capa do site de sua igreja um vídeo onde se defende de tais acusações.
Seu principal argumento é que ocorrem milagres na Plenitude através dele, portanto teria o favor do Senhor Deus.

Maldição repetida

Em 2014, um discurso parecido de Agenor viralizou na internet. Visivelmente nervoso com alguém que havia lhe ofendido, o apóstolo resolveu fazer um desafio: “Você diz que verá minha queda… Então, se eu sou um profeta de Baal, é três dias: ou Deus me abate e abate a minha casa, ou a ira do Senhor virá contra ti”, diz.
O religioso pede para que Deus pese a sua vida com a de seu opositor para saber quem está ou não mentindo e ainda amaldiçoa que tem “blasfemado contra o ungido de Deus”. “Se eu sou um falso profeta, você saberá […] Diz o Senhor: você está amaldiçoado agora”.
Na época, muitos evangélicos resolveram aceitar o “desafio” e afirmaram que Agenor Duque é falso profeta em comentários nas redes sociais para verem se morreriam em três dias ou se continuariam vivos. Não há registro de que ninguém tenha morrido.
fonte: https://noticias.gospelprime.com.br/agenor-duque-amaldicoa-fiel/

5 de abr de 2016

Leonardo Gonçalves anuncia pausa na carreira: Não sei se eu volto

Ele não se considera artista e afirma que por ser uma pessoa reservada tem problemas com a exposição

Leonardo Gonçalves anuncia pausa na carreira: Não sei se eu voltoLeonardo Gonçalves anuncia pausa na carreira
Quem acompanhou uma live Leonardo Gonçalves pelo Facebook foi pego de surpresa ao saber que os planos futuros do cantor são dar uma pausa na carreira.
Um dos artistas do gospel de maior destaque no cenário – e também fora dele – Leonardo avisou que fará uma turnê de despedida passando por diversas cidades brasileiras com o repertório do CD e DVD “Principio”.
Em entrevista à Veja, Leonardo destacou que canta desde adolescência e que agora está cansado. “No total, tenho 22 anos de carreira. E estou bem cansado, especialmente da exposição que eu não esperava. Comecei a cantar quando vim para o Brasil em 1994, e logo já estava viajando pelo país com um grupo”, diz o cantor de 36 anos.
Leonardo, recém divorciado da cantora Daniela Araújo, também afirmou que sua personalidade reservada não combina com esse mundo de exposição, além de dizer que nunca teve como projeto de vida ser cantor.
“Não quero soar ingrato, mas meu projeto de vida nunca foi ser cantor. Sou uma pessoa mais reservada, tem a ver com minha personalidade”, revelou.
Ainda para a Veja, o artista disse que entre as coisas que mais o incomoda está a cultura do selfie alegando “diversas razões” para não gostar de ser tratado como famoso. “Não quero desprezar, mas pra mim famoso de verdade é a Britney Spears e os cem paparazzi atrás dela o tempo todo (risos). Meu conceito de fama é esse. Eu sempre fui o menino nerd da turma. Tirava boas notas e apanhava dos outros garotos na escola, pelo menos duas vezes na semana (risos). Vivia lendo e não tinha amigos. Era muito pequeno, estrangeiro… foi uma série de coisas que ajudou a definir quem eu sou, minha personalidade”, disse ele que se mudou com sua família para Alemanha aos 2 anos de idade e retornou ao Brasil com 15 anos.
Mas seu contrato com a Sony ainda tem o lançamento de um EP ao vivo, acústico. “Já tinha combinado com a gravadora entregar este ano a turnê e também um EP ao vivo, acústico. Vamos documentar os shows e depois veremos o que fazer com o material”, adianta.
Ainda está nos planos de Leonardo Gonçalves lançar um selo para jovens artistas evangélicos. “Quero viabilizar a carreira deles para que caminhem sozinhos. No fundo, tenho esse desejo de passar o bastão. Vou trabalhar bastante este ano, e no próximo fico fora. Não sei se volto”.
Quando encerrar sua carreira musical, Leonardo Gonçalves pode se dedicar a trabalhos voluntários ou ainda ficar um ano em Israel aprendendo hebraico. “Sei que não quero trabalhar com música. Meu sonho seria dar aula de inglês para crianças refugiadas na Palestina de dia e a noite estudar hebraico em Jerusalém (risos). Não sei se isso existe, mas seria perfeito”, encerra ele.

fonte: https://musica.gospelprime.com.br/leonardo-goncalves-anuncia-pausa-na-carreira/

       

Bancada evangélica está dividida sobre o Impeachment


O portal Gospel Prime está em Brasília para acompanhar o movimento pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff. Nesta segunda (4), acompanhamos os debates da comissão que discute o assunto. Vários membros da bancada evangélica estavam presentes, mas não há unanimidade no pensamento. Alguns estão indecisos e uma minoria é contra.
O pastor Sóstenes Cavalcante (DEM/RJ) explica que os deputados federais que compõem a frente parlamentar evangélica possuem opiniões distintas na questão do impedimento da presidente. Diferentemente do que ocorre em questões que dizem respeito à família, ou em assuntos morais, não é uma “questão fechada”.
Questionado sobre a divisão em três grupos, ele ressalta que os eleitores devem pressionar os deputados em quem votaram para que se posicionem. O assunto é grave e o futuro da nação passa pela decisão tomada pelo Congresso.
Parlamentares-e-Impeachment---Contra
O parlamentar acredita que todos os cidadãos deveriam se posicionar e se envolver na questão de alguma forma. Aos que são evangélicos e defendem que o mandamento é para apenas orarmos pelas autoridades constituídas, ele lembra que Jesus nunca anulou a “cidadania terrenal”.
“Precisamos entender que pagamos os nossos impostos. Temos deveres para com o Estado, mas também temos direitos”, assevera. “No mundo espiritual nós, como evangélicos, sabemos lutar através da oração, da leitura da Bíblia e do jejum. Na cidadania terrenal, temos que nos manifestar e protestar sim”, defende Sóstenes, que também é pastor da Assembleia de Deus.
Parlamentares-e-Impeachment---Indecisos
Para ele, não podemos suportar mais tantos problemas causados pela corrupção. Sem deixar de orar, é importantíssima a participação dos evangélicos. Ele faz um apelo para que os evangélicos acompanhem de perto como votam os deputados eleitos pelos partidos: PP, PR, PSD e PRB.
Ele denuncia que existem muitos parlamentares que estão sendo “altamente assediados pelo palácio do Planalto”. Existiria a oferta de até 400 mil reais para que os deputados não compareçam no dia da votação do impeachment. Ou seja, eles não precisariam se posicionar contrários, bastaria não aparecer nesse dia. Sendo assim, não se atingiria os 342 votos necessários.
Assista a entrevista com Sóstenes Cavalcante:
Parlamentares-e-Impeachment---A-Favor
Fonte da matéria: https://noticias.gospelprime.com.br/bancada-evangelica-dividida-impeachment